"Dedicado à promoção e treino canino da raça Rottweiler e demais raças de cães ."

Cláudio Nogueira

Vinda para casa

Os primeiros dias.

O que fazer e o que evitar...

A vinda para casa do cachorro deve ser planeada com o criador para que a saída se faça da parte da manhã. Desta forma, antes da sua primeira noite longe dos irmãos de ninhada, o cachorro terá mais tempo para se habituar à sua nova casa e família.

Será aconselhável providenciar alguém que possa conduzir o carro ou transportar o cachorro ao colo (minimizará o enjoo).  Caso assim seja, precavendo qualquer imprevisto, deve ser providenciada uma toalha para deitar ou sentar o cachorro. Antes da viagem o cachorro não deve ser alimentado; contudo, durante a viagem será desejável haver água disponível.

Caso não se considere alimentar o cachorro com ração idêntica à utilizada pelo criador, é importante  trazer alguma quantidade de forma a fazer a transição (misturando) com a nova ração que se irá utilizar. Desta forma serão minimizados problemas intestinais.

Rottweiler

Após a chegada a casa, o cachorro deve ser ambientado com calma e naturalidade. Neste período, principalmente se existem crianças, há que controlar a vontade de brincar e pegar no cachorro. Gradualmente, a confiança do cachorro irá aumentando, sendo ele próprio a desafiar a brincadeira.

No caso de existirem em casa um ou mais cães, a apresentação deve ser supervisionada e bem controlada. O cachorro, na sua ingenuidade, poderá "desafiar" os cães residentes e adotar comportamentos que não serão bem tolerados. A apresentação deve ser feita num território neutro (fora de casa - quintal ou rua) evitando que estejam por perto brinquedos ou comida (algo que possa gerar disputas).

Se aplicável, numa primeira fase, a apresentação poderá ser feita através de uma vedação. Caso esta ultima provoque ansiedade ou stress nos cães, o processo deve parar de imediato. Em alternativa, mantendo as devidas distancias, deve-se recorrer ao uso de trelas. Os cães residentes não devem perder as atenções e devem ser acariciados (caso mostrem um comportamento tranquilo) na presença do novo membro. No entanto, qualquer atitude negativa deve de imediato ser corrigida. Em caso de dificuldade, a tentativa de apresentação dos cães devem ser interrompida e solicitada a colaboração de um profissional / Escola de treino canino.

Cachorro Rottweiler -- PanzerApós um dia cheio de emoções fortes, chega o final do dia e o "drama" da primeira noite em que o cachorro sentirá a ausência dos seus irmãos de ninhada. O local destinado ao descanso deverá situar-se num espaço abrigado, longe de correntes de ar provenientes de janelas ou portas. Será igualmente aconselhável que o espaço destinado à dormida contenha algo passível de ser roído ( osso para cachorro ou um objeto destinado para o efeito ).

Embora com intuito de proporcionar maior conforto ao cachorro, os donos forram o local da dormida com toalhas ou com colchões “destinados” para o efeito. Na maioria dos casos, o resultado prático é apenas ensinar o cachorro a ser destruidor e a brincar com o que não deve. Não menos importante, potenciar o risco de ingerir objetos perigosos e nocivos para a sua saúde.

Deixar um cachorro sozinho, não deve ser precedido ou acompanhado de grandes despedidas ou longas carícias. Apenas irá criar maior ansiedade no ato da separação.

Nas primeiras noites, o "pior" poderá acontecer. O cachorro poderá uivar de forma sistemática. Não ceder, indo ter com ele, é o aconselhável . Se assim não for, o cachorro rapidamente irá perceber que através do uivo, chamará a atenção do dono. Tornar-se-á um ciclo vicioso e as olheiras dos donos, por certo, irão aumentar. Igualmente, o relacionamento com a vizinhança poderá deteriorar-se.

Obs.  – Se aplicável ou viável, informe os seus vizinhos da chegada do cachorro. Estando previamente preparados para uns dias mais “incomodativos”, poderão ser mais tolerantes.

Nos dias que se seguem, uma deslocação de rotina ao veterinário para efetuar um ligeiro "check-up" ao cachorro, é aconselhável. Servirá igualmente como um primeiro processo de sociabilização com o veterinário.

Cláudio M. Nogueira
Amigo do Rottweiler ...e não só!